Cenapop
Música

M.I.A se declara "anti-vacina" e causa polêmica na web em meio a pandemia de coronavírus

M.I.A se declara "anti-vacina" e causa polêmica na web em meio a pandemia de coronavírus
M.I.A se declara "anti-vacina" e causa polêmica na web em meio a pandemia de coronavírus - Foto: Reprodução / Instagram

Redação Publicado em 25/03/2020, às 12h31

Na manhã desta terça-feira (25/03), a rapper M.I.A. revelou, em seu Twitter, que se enquadra no grupo de pessoas que são contra a vacinação obrigatória, surpreendendo assim tanto seus fãs quanto boa parte da internet.

A declaração vem ao encontro do que defende a quase totalidade de especialistas em saúde pública, que sempre salientam a importância da vacinação para a erradicação de doenças. Além disso, o momento que o mundo atravessa no momento - por conta da pandemia causada pelo novo coronvírus - transforma as declarações da artista ainda mais surpreendentes.

M.I.A., responsável por hits como Bad Girls, afirmou publicamente que se tivesse uma escolha entre uma vacina ou a morte, escolheria a morte. Além disso, disse acreditar que as vacinas deixam as crianças doentes e são distribuídas apenas para ganhar dinheiro para os bancos.

Tudo começou quando a artista de 44 anos, cujo nome verdadeiro é Mathangi Arulpragasam, disse que foi forçada a vacinar o filho de 11 anos de idade, Ikhyd, antes de ir para a escola, mas se arrependeu da atitude.

"Se eu tiver que escolher a vacina ou o chip, vou escolher a morte", escreveu ela na rede social.

Questionada por um seguidor, ela detalhou seu pensamento. "A maior parte da ciência está na cama com os negócios. Os negócios estão na cama com os bancos, os bancos estão na cama com a tecnologia, os técnicos estão na cama conosco, estamos na cama com o corona", usando uma analogia que remete a sexo para explicar as relações entre as situações.

"Corona está na cama com a ciência. Então ... o melhor é a prevenção", afirmou.

 

Declaração choca a internet

A declaração deixou chocados e decepcionados os fãs da artista. Uma delas externou sua frustração com as declarações, e foi respondida por M.I.A.

"Sim, nos Estados Unidos, eles me fizeram vacinar meu filho antes da admissão na escola. Foi a coisa mais difícil. Não ter escolha sobre isso como mãe. Nunca mais quero sentir isso", relatou, dizendo que o menino adoeceu depois de tomar a sua dose.

"Ele ficou tão doente por três semanas que o doutor teve que injetar antibióticos para reduzir a febre", argumentou. Em seguida, ela disse acreditar que é injusto que adultos possam escolher pelas crianças sobre tomar a vacina ou não.

"Como adulto, você tem escolha! Até então, você construiu seu sistema imunológico. Você tem a opção de 'adulto', desejando boa saúde a todos", disse M.I.A., que completou: "Não entre em pânico, você está bem. Você não vai morrer. Você pode sobreviver sem estressar o sistema médico. Apenas respire. Você está bem. Todas as vacinas que você já tomou são suficientes para ver você passar."

A posição de M.I.A. tem sido um dos assuntos mais comentados nas redes sociais na manhã de hoje. De acordo com o jornal The Mirror, uma vacina contra o coronavírus está em estudo e pode ser desenvolvida em seis meses. Andrew Pollard, professor de infecção e imunidade pediátrica da Universidade de Oxford, disse que o prazo é "possível", mas alertou que "precisa que muitas outras coisas se encaixem para que isso aconteça".

 

 

Comentários