Análise: A polêmica sobre o filme do Porta dos Fundos e o Efeito Streisand

Fábio Porchat interpreta o "companheiro" de Jesus em A Primeira Tentação de Cristo - Foto: Reprodução/Netflix

Fábio Porchat interpreta o “companheiro” de Jesus em A Primeira Tentação de Cristo – Foto: Reprodução/Netflix

Um dos assuntos mais discutidos atualmente no Brasil é o filme do Porta dos Fundos, A Primeira Tentação de Cristo, que chegou à Netflix na semana passada.

Bispos católicos conclamaram a proibição do especial; evangélicos abriram um abaixo-assinado para tirá-lo do ar; artistas se posicionaram contra a história apresentada. Tudo isso deveria fazer com que o Porta dos Fundos e seus responsáveis (leia-se Fábio Porchat, autor do roteiro, e Gregório Duvivier, que interpreta o tal “Cristo gay”) caírem em ostracismo e perderem seus empregos, certo?

Errado: segundo informações do jornal O Globo, o especial do grupo é a produção brasileira mais assistida da plataforma. Além disso, a repercussão fez com que a Netflix já fechasse o contrato para garantir a produção natalina do ano que vem. O que aconteceu com o boicote, então?

Na realidade, a campanha contra o Porta e a Netflix sofreu o Efeito Streisand, que nada mais é do que quando uma exposição negativa – como boicotes, censuras e etc – acaba se tornando uma poderosa ferramenta de marketing a favor daquilo que, na opinião dos censores, deveria ser proibido.

No vídeo abaixo, feito pelo pessoal do Cinco Tons, o Efeito Streisand é explicado em seus detalhes, com exemplos que aconteceram aqui mesmo no Brasil antes mesmo do caso Porta dos Fundos. Entenda:

Comentários