CARNAVAL

Mulher Abacaxi anuncia volta ao carnaval do Rio: “Vai ter mulher trans na Sapucaí”

Marcela Porto ressaltou que folia é celebração da diversidade

Marcela Porto, a Mulher Abacaxi, será madrinha da Unidos da Ponte - Foto: Léo Cordeiro
Marcela Porto, a Mulher Abacaxi, será madrinha da Unidos da Ponte - Foto: Léo Cordeiro

Redação Publicado em 19/11/2021, às 09h29

Longe das avenidas do samba desde 2017, ano em que foi musa da Inocentes de Belford Roxo, Marcela Porto anunciou que está de volta ao carnaval do Rio de Janeiro. A empresária, que se lançou como Mulher Abacaxi 一 na explosão das mulheres frutas no funk, nos anos 2000 一, será madrinha da Unidos da Ponte.

“Vai ter mulher trans na Sapucaí, sim. Tenho orgulho de levantar essa bandeira para todo Brasil. O carnaval do Rio também é uma festa da diversidade, não só sexual, mas de corpos, raças…”, disse ela.

Dona de uma empresa de transporte de minérios, Marcela revelou que uma amiga foi quem “fez a ponte” entre ela e a escola do Grupo de acesso: “A Tina Bombom disse que a escola queria uma madrinha e me apresentou a eles. Fiquei com medo deles não me aceitarem, mas fui acolhida, sem preconceitos.  Quero agradecer muito ao presidente Gustavo Barros por todo carinho e respeito”, comemorou ela, que costuma mostrar o dia a dia na boleia do caminhão e de máquinas pesadas em suas redes sociais.

Para fazer bonito na Sapucaí, a ex-funkeira fará aulas de samba: “Estou um pouco enferrujada, já que estou afastada desde 2017. Quero começar logo as aulas. E que venha o Carnaval 2022, que será o maior de todos”, completou.

Marcela é a primeira mulher trans no posto de madrinha da Unidos da Ponte. Segundo Francisco Dantas, diretor do comitê de diversidade da Unidos da Ponte, a representatividade é importante para a comunidade LGBTIA+. 

“A presença de representantes em lugares de destaque ou referência fortalece o nosso orgulho e dá voz à comunidade, além de ser uma forma de combater a LGBTIA+fobia. Eu fiquei muito feliz quando o Gustavo me convidou para fazer parte do Comitê de Diversidade da Unidos da Ponte e ajudar na implantação de ações voltadas para comunidade, mas mesmo dentro do meio LBTGIA+ existem ações que excluem a população trans; o que só enfraquece o movimento. Nós tivemos uma mulher trans negra liderando a  rebelião de Stonewall que deu origem ao que hoje chamamos de dia do orgulho e trazer pra avenida, como madrinha da escola uma mulher trans, sendo um homem gay, me orgulha da escola e reforça a política de acolhimento, inclusão e respeito que a Unidos da Ponte pratica”, contou Francisco.

A Unidos da Ponte será a 3ª agremiação a se apresentar na 6ª feira do Carnaval de 2022, pela Série Ouro. A agremiação levará para a Marquês de Sapucaí o enredo Santa Dulce dos Pobres - O Anjo Bom da Bahia, desenvolvido pelos carnavalescos Guilherme Diniz e Rodrigo Marques. O enredo é de Tiago Freitas.

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Marcela Porto/ MULHER 🍍 (@mulherabacaxi7)

 

Comentários