Relembre papéis marcantes de Kirk Douglas, morto aos 103 anos

Relembre papéis marcantes de Kirk Douglas, morto aos 103 anos - Foto: Reprodução

Relembre papéis marcantes de Kirk Douglas, morto aos 103 anos – Foto: Reprodução

A morte de Kirk Douglas, ocorrida nesta quarta-feira (05/01), pode ser considerada o “fim de uma era”. O ator era um dos últimos remanescentes da chamada “Era de Ouro” de Hollywood, estrelando diversos filmes icônicos.

Além disso, Kirk era pai de Michael Douglas, outro grande nome na constelação hollywoodiana. Nos últimos anos ele passou a ser conhecido apenas por isso, mas sua carreira é muito mais extensa e sua contribuição ao cinema é gigante.

Abaixo, você confere alguns dos principais trabalhos de Douglas e que marcaram a história do audiovisual:

O Tempo Não Apaga (1946)

Douglas fez sua estreia no cinema neste filme sinuoso, no qual ele interpreta o marido do personagem principal, o fraco e alcoólico Walter O’Neil. Estrelando ao lado de Barbara Stanwyck, Douglas provou ser um ator de grande presença já em seu primeiro papel, apesar do contraste com sua personalidade mais durona. Douglas conseguiu o papel depois que o produtor Hal B. Wallis o viu no palco em Nova York, por recomendação de Humphrey Bogart e Lauren Bacall, que havia sido colega de classe de Douglas na Academia Americana de Artes Dramáticas de Nova York.

Fuga do Passado (1947)

Um dos primeiros papéis notáveis ​​de Douglas veio neste famoso filme noir, no qual ele interpretou um jogador de fala mansa que atormenta o cansado Robert Mitchum. Em entrevista ao falecido crítico Roger Ebert, Mitchum disse que Douglas era “bastante sério sobre sua profissão” naqueles tempos. “Ele passava a maior parte do tempo no set com um lápis no queixo”, disse o ator.

O Invencível (1949)

Neste filme, Douglas cimentou sua imagem como um homem durão e ganhou sua primeira indicação ao Oscar ao interpretar um boxeador egoísta nesse intenso drama esportivo. Uma frase em particular prenunciava as próprias ambições do ator: “Não quero ser um ‘ei você’ a vida toda. Quero ouvir as pessoas me chamando de senhor”.

A Montanha dos Sete Abutres (1951)

Neste clássico dirigido por Billy Wilder, um dos grandes nomes do Cinema, Douglas retratou um repórter desprezível que transforma uma história de interesse humano em um circo. “É um filme muito bom, mas os críticos deram críticas desagradáveis”, disse Douglas em entrevista para a Entertainment Weekly em 2015. “Acho que foi por causa de (o personagem ser um) jornalista inescrupuloso, e que chegou ‘perto demais de casa'”, alfinetou.

Assim Estava Escrito (1952)

“Geralmente é difícil fazer um filme sobre como fazer filmes e torná-lo crível”, disse Douglas certa vez sobre esse melodrama assustador sobre um produtor sem escrúpulos tentando atrair três colaboradores que ele havia enganado no passado e que lhe rendeu sua segunda indicação ao Oscar. Os personagens são tão desalmados que, quando alguém morre, são contratados extras para comparecerem ao seu funeral. “Acho que o filme é uma história muito realista sobre Hollywood”, brincou o ator sobre o enredo.

20.000 Léguas Submarinas (1954)

Nessa aventura de ficção científica Technicolor baseada no clássico romance de Júlio Verne, Kirk Douglas mostrou que também sabia tocar e cantar uma música. “Eu cantei nisso!”, relembrou ao Hollywood Reporter em 2012. “Para um cara que não sabe cantar, eu cantei muito”, disse, nunca perdendo a piada: “Todos os jovens da época conheciam essa música. Eles fizeram um disco profissionalmente, e eu disse em uma entrevista que meu amigo Frank Sinatra estava com ciúmes de mim!”, riu.

Sede de Viver (1956)

A terceira indicação ao Oscar de Melhor Ator para Douglas veio com seu retrato vívido e angustiado do mestre pintor Vincent van Gogh nesta cinebiografia dirigida por Vincente Minnelli. “O papel me afetou profundamente”, escreveu Douglas em seu livro de 1997, Climbing the Mountain: My Search for Meaning. “Fui assombrado por esse gênio talentoso que tirou a própria vida, pensando que ele era um fracasso”, comentou. É um dos papéis mais conhecidos do ator.

Sem Lei e sem Alma (1957)

Das meia dúzia de filmes em que Douglas co-estrelou com Burt Lancaster, esse western de John Sturges foi o maior sucesso de bilheteria. Como Doc Holliday e Wyatt Earp, Douglas e Lancaster exibiram uma química nervosa que talvez refletisse sua dinâmica fora da tela. “Kirk seria a primeira pessoa a dizer que ele é um homem muito difícil”, observou Lancaster certa vez em um jantar de homenagem a Douglas. “E eu seria o segundo”, brincou.

Glória Feita de Sangue (1957)

Dirigido por Stanley Kubrick, que tinha 28 anos na época das filmagens, este deslumbrante drama antiguerra trouxe Douglas como um coronel da Primeira Guerra Mundial que se recusa a enviar seus soldados para um banho de sangue. “Este filme fez o nome de Stanley Kubrick”, recordaria Douglas em 2015, décadas depois de ter escolhido a dedo o cineasta, que ainda estava no início da carreira. “Ele era um talento, mas muito difícil e problemático”, reconheceu.

Spartacus (1960)

Sem dúvida, o papel mais lembrado da carreira de Kirk Douglas, que acabou se tornando sua assinatura. Liderando como o escravo romano que inicia uma revolta, foi neste longa que ele também alcançou status como produtor. “Spartacus representa todas as pessoas que trabalham pela liberdade”, ele disse em uma entrevista para a Entertainment Weekly, observando que como produtor contratou o roteirista Dalton Trumbo para escrever o filme. Na época, Trumbo estava na Lista Negra de Hollywood e precisaria trabalhar sob um pseudônimo. “Então eu decidi, que diabos! Vou colocar o nome dele nele”, comentou Douglas, abrindo passagem para que a época do Macartismo na cultura americana finalmente terminasse.

Sete dias em maio (1964)

A produtora de Douglas, Joel Productions, ajudou a trazer esse suspense político para as telas do cinema. O filme, que é baseado em um romance de mesmo nome, recebeu muitas críticas do Pentágono, devido à história da aquisição planejada por uma cabala político-militar do governo dos EUA após a negociação do presidente de um tratado de desarmamento com a União Soviética. Isso exigiu que o diretor John Frankenheimer desenvolvesse algumas táticas de guerrilha ao desejar filmar em torno de navios de guerra e propriedades militares – mas o próprio presidente, John F. Kennedy, apoiou o projeto e se organizou para ficar longe da Casa Branca nos fins de semana para ajudar na produção, permitindo que gravassem nos arredores.

Comentários