Cenapop
Crítica

Crítica | Ragnarok, série da Netflix, traz a mitologia nórdica aos tempos de hoje

Crítica | Ragnarok, série da Netflix, traz a mitologia nórdica aos tempos de hoje
Crítica | Ragnarok, série da Netflix, traz a mitologia nórdica aos tempos de hoje - Foto: Reprodução/Netflix

Redação Publicado em 02/02/2020, às 17h41

Quando a maioria das pessoas hoje em dia pensam em Ragnarok, elas pensam naquele filme da Marvel, dirigido pelo Taika Waititi há uns anos.

No entanto, ragnarok é uma antiga lenda nórdica sobre o fim do mundo. Nesta nova série dinamarquesa da Netflix, vemos o que pode acontecer se um ragnarok ocorrer no presente e se um adolescente estranho for o escolhido para detê-lo.

Magne (David Stakston), seu irmão Laurits (Jonas Strand Gravli) e sua mãe Turid (Henriette Steenstrup) estão se mudando para Edde, na Noruega, onde os meninos cresceram até o pai morrer quando jovens. Turid conseguiu um bom emprego na fábrica local da Jutul Industries. Quando uma mulher misteriosa encontra Magne e toca sua testa, os olhos dele brilham. De alguma forma, Magne sente que vai chover, apesar do céu estar limpo. Chove. Aí que a história começa.

Se você gosta de uma série teen com um pouco de mitologia Viking na mistura, esta série é perfeita para você. Apesar de alguns pequenos erros de narrativa e ritmo, a série ainda é capaz de divertir e entreter.

O Canal Cinco Tons fez uma crítica a respeito de Ragnarok. Veja:

Comentários