FAMOSOS

Luísa Sonza sobre sexualidade: "Mulher gosta de sexo, não é um objeto de prazer do homem"

Luísa Sonza refletiu sobre solteirice após término de namoro com Vitão

Cantora afirmou que se policia, revelando ter se apaixonado 3 vezes - Reprodução / Instagram @luisasonza
Cantora afirmou que se policia, revelando ter se apaixonado 3 vezes - Reprodução / Instagram @luisasonza

Redação Publicado em 22/10/2021, às 08h52

Luísa Sonza refletiu sobre sexualidade ao falar sobre estar solteira, desde que terminou seu romance com Vitão, há dois meses, e afirmou que se policia, revelando ter se apaixonado 3 vezes desde o rompimento do namoro. 

Em entrevista à GQ, Luísa alega estar se policiando para se manter solteira: "Eu sou canceriana, me apaixono super fácil, mas tô um pouco controlada. Eu já me apaixonei 3 vezes em dois meses", disse. A cantora ainda falou sobre contribuir para movimentos pelos direitos sexuais e reprodutivos das mulheres, ao lançar o álbum "Doce 22", que conta com letras ousadas e o prazer feminino. 

"Somos muito invisibilizadas em todos os sentidos, a ponto do nosso prazer ser desconsiderado. Então aonde eu puder falar, eu vou falar. A verdade é que o nosso corpo é uma explosão de sexualidade. Mulher gosta de sexo, mulher quer sexo, não é objeto de prazer do homem", afirma Sonza. 

Em seu álbum, o hit "2000" é uma das músicas que mais retrata teor sexual, explorando o sexo oral. Luísa reflete sobre a música "não remeter o ato sexual em si, mas sim coisas que a sexualidade carrega": "A sexualidade trabalha a nossa autoestima, nossa aceitação, segurança, todas as coisas essenciais da vida. Invisibilizar isso na mulher, é matar o nosso feminino."

"Quando eu falo de sexo oral, não estou falando do meu prazer em si, eu falo da minha autoestima, do meu direito de ir e vir, da minha segurança e tudo que envolve isso", completou. Em entrevista recente, a cantora contou sobre já ter se envolvido com mulheres, afirmando se sentir uma pessoa livre, e desabafou sobre sua saúde mental, relatando crises fortes de pânico. 

Comentários