Johnny Marr nega boatos de reunião do The Smiths tirando sarro de Morrissey

Morrissey e Johnny Marr, hoje ex-amigos, na época do auge de The Smiths - Foto: Reprodução/Instagram

Morrissey e Johnny Marr, hoje ex-amigos, na época do auge de The Smiths – Foto: Reprodução/Instagram

Nos últimos dias, surgiram boatos de que uma das bandas inglesas mais famosas dos anos 80, o The Smiths, voltaria para uma reunião em 2020.

Foi noticiado que até mesmo estavam sendo sondados locais para shows, e que havia um promotor de eventos contratado para organizar o comeback de Morrissey e Johnny Marr em um mesmo palco, anos após a separação.

No entanto, o guitarrista Marr fez questão de refutar essas informações, negando a reunião da banda e tirando um sarro da visão política de seu ex-amigo Morrisey ao mesmo tempo.

Pelo Twitter, o músico comentou uma notícia que dava como garantida a volta do The Smiths para o ano que vem. De forma absolutamente sucinta – como é comum no humor inglês – Marr disse: “Nigel Farage estará na guitarra”.

Para quem não conhece, Nigel Farage é um político britânico conhecido por ser de extrema-direita, membro do Partido Conservador. A citação ao nome de Nigel não foi por acaso: nos últimos anos, Morrissey se tornou um entusiasta da extrema-direita, com opiniões polêmicas sobre assuntos como imigração, por exemplo. Dessa forma, colocou-se ao lado de tipos como o político citado por Marr em seu tweet, que de uma vez só afastou a hipótese de se reencontrar com Morrissey e ainda deixou claro não concordar com sua visão extremista.

Ao que tudo indica, portanto, o The Smiths não irão voltar – e é provável que isso nunca aconteça. O grupo encerrou suas atividades em 1987, logo após o lançamento do disco Strangeways, Here We Come. Morrissey e Marr seguiram carreiras solo bem sucedidas, e deixaram de se falar desde então.

The Smiths em sua formação original, nos anos 80 - Foto: Reprodução/Instagram

The Smiths em sua formação original, nos anos 80 – Foto: Reprodução/Instagram

 

Ver essa foto no Instagram

 

We got our passports back!

Uma publicação compartilhada por Nigel Farage (@nigel_farage) em

Comentários