Os Últimos Czares, série da Netflix, mostra como o comunismo chegou ao poder na Rússia

Os Últimos Czares, série da Netflix, mostra como o comunismo chegou ao poder na Rússia - Foto: Reprodução/Netflix

Os Últimos Czares, série da Netflix, mostra como o comunismo chegou ao poder na Rússia – Foto: Reprodução/Netflix

A série Os Últimos Czares, produção da Netflix, mostra um período importante para a história do mundo: a queda de Nicolau II, czar da Rússia.

Ele foi deposto pela Revolução Russa liderada por Lênin em 1917, e foi dizimado junto de sua família dizimada no ano seguinte. Na produção, que mistura dramatização de época com entrevistas com especialistas em História, acompanhamos a ascensão e queda do comandante russo, que apesar de suas boas intenções, não tinha carisma suficiente para manter a simpatia do povo, que passava por uma grande crise.

O design de produção de Os Últimos Czares é simplesmente fantástico, recriando a época com quase perfeição. Os cenários, figurinos e penteados chamam a atenção, além das questões técnicas relacionadas à fotografia. As entrevistas são pontuais e quando aparecem, são sempre para explicar o contexto de uma situação, esclarecendo pontos que poderiam se tornar obscuros sem uma intervenção adequada.

A história também chama a atenção por mostrar as minúcias da vida de Nicolau II, como seu amor pela esposa, Alexandra – em uma época em que os casamentos eram meramente arranjados, sem sentimentos. Também mostra sua busca por um filho do sexo masculino, e quando ele finalmente nasce, padece de hemofilia durante toda a sua vida. Por fim, é detalhada a  influência nefasta de Rasputin, alçado a conselheiro da família, mas que não passava de um charlatão que tinha ligações com magia negra e ambições politicas e sociais próprias.

Veja a crítica completa aqui:

Tags

Comentários