5 projetos inspiradores que encorajam a beleza natural da mulher

Fotos dos projetos Sou o Que Desejo, da fotógrafa Rafaella Zanol; Mulheres que Sonhamos, de Bruno Brin; Antes Nua Do Que Sua, de Gabriel Wickbold, e Pele Project, de Bruno Rangel e Marcelo Feitosa

Numa época em que os filtros e os aplicativos para retocar imagens estão em alta, ainda há muita gente interessada em mostrar a beleza real das pessoas, da maneira mais natural possível, sem filtros, sem edições no Photoshop.

Abaixo, você verá parte do trabalho de cinco fotógrafos que dedicaram (e ainda dedicam) tempo de suas vidas para eternizar o simples, as marcas e as formas em projetos inspiradores.

Utilizando a mulher em sua essência, essas cinco iniciativas têm um propósito comum; provar que a beleza não está no padrão, está na mulher.

Acompanhe abaixo:

Sou o Que Desejo

Fotos do projeto Sou o que Desejo, da fotógrafa Rafaella Zanol – Foto: Rafaella Zanol

Dona do projeto Sou o que Desejo, a fotógrafa Rafaella Zanol resolveu levantar a bandeira da beleza natural após perceber que muitas mulheres pediam para ter suas estrias, celulites e cicatrizes “tratadas” no Photoshop.

“A ideia [do projeto] surgiu porque muitas mulheres pediam para usar Photoshop. Pediam para remover um defeitinho aqui, uma celulite ali…”, explicou. “Criei o projeto para mostrar às mulheres que existe beleza sem edições ou alterações de imagem, para mostrar que é bonito se aceitar e se amar como são”, continuou.

Para Rafaella, o ideal é valorizar as peculiaridades e buscar a felicidade sem levar e conta os padrões de beleza impostos pela sociedade:

“Não existe esse negócio de corpo ideal ou forma perfeita. Ninguém é igual, todos têm sua beleza e marcas que os diferenciam. O importante é buscar a felicidade e procurar mudar a realidade quando não gostamos dela, e isso não significa fazer remendos em programas de edição”, opinou.


ElaCrua

Fotos do projeto ElaCrua, do fotógrafo Alberto Prado – Foto: Alberto Prado

Idealizado pelo fotógrafo Alberto Prado, o ElaCrua surgiu da vontade de fotografar as mulheres na essência, estilo e personalidade, sem a preocupação de agradar padrões estéticos.

Em conversa com o CENAPOP, Alberto contou que o projeto surgiu em 2013, e garantiu que não busca um estereótipo para ser fotografado:

“Eu queria trazer a mulher em sua essência, estilo e personalidade, queria clicar pessoas do meu cotidiano, pessoas normais, como as que eu via na rua. O projeto é para todas as mulheres”, explicou.

Sobre o uso do Photoshop, Alberto disse que as manipulações são proibidas, e que seguem um caminho inverso à iniciativa:

“A raiz do projeto é justamente mostrar essa beleza natural da mulher, foi pensado para não haver alterações nesses corpos”, disse. “Não existe um padrão de perfeição. O que existe é o respeito para cada ser humano, o respeito pela maneira como ele é, e é por isso que o projeto está aberto à todas as mulheres”, completou.


Antes Nua do que Sua

Fotos do projeto Antes Nua do que Sua, do fotógrafo Gabriel Wickbold – Foto: Gabriel Wickbold

A beleza individual da mulher e a troca entre modelo e fotógrafo foram alguns dos fatores que motivaram Gabriel Wickbold a criar o projeto Antes Nua do que Sua.

Segundo Gabriel, a iniciativa nasceu em janeiro de 2016, e carrega um nome cheio de significado:

“O nome ‘Antes Nua do que Sua’ diz que as mulheres são donas do seu próprio corpo, e o quanto é importante a mulher saber que tem o controle total sobre si mesma”, explicou.

Ao CENAPOP, Gabriel disse ainda que há um cuidado todo especial na hora de fazer as fotos, e que os cliques desmistificam a ideia de “mulher objeto” construída pelas revistas masculinas:

Foto do projeto Antes Nua do que Sua, do fotógrafo Gabriel Wickbold – Foto: Gabriel Wickbold

“As fotos do projeto foram sempre pensadas para proteger a mulher, através dessa forma de fotografar [não há assistentes e equipe no local das fotos]. As imagens mostram que a beleza da nudez pode ser desmistificada, que pode ser diferente do que vem sendo mostrado nas revistas masculinas, onde a mulher aparece como objeto. Tratamos a mulher com o devido cuidado que ela merece”, explicou.

Todo esse cuidado ajudou muitas mulheres que nunca haviam pensado em fotografar nua a participarem do projeto.

“Foi assim que o projeto ganhou força, tanto que várias mulheres que nunca tinham imaginado posar nua toparam participar dessa série, e puderam se aceitar e se descobrir das formas mais diversas”, continuou.

Para Gabriel, a beleza natural da mulher [sem Photoshop] está diretamente ligada à forma como os detalhes são tratados:

“Eu sempre digo que a ideia não é enaltecer os defeitos, e sim para realçar as qualidades. Essa série veio para trazer todas as qualidades de cada uma das mulheres e mostrar para elas mesmas que elas são lindas e podem estar ali da forma que for”, declarou.

Ao falar sobre o “corpo padrão”, o fotógrafo conseguiu descrever com maestria a principal regra da beleza:

“Essa série falou muito sobre sedução, e como cada uma dessas mulheres podem seduzir, independe de corpo, de estética, ou de padrão de beleza. A sensualidade, o ato da sedução, está além da estética externa. A beleza está em qualquer padrão, não existe regra”, completou.


Mulheres que Sonhamos

Fotos do projeto Mulheres que Sonhamos, do fotógrafo Bruno Brin – Foto: Bruno Brin

Quebrar paradigmas, tabus e preconceitos. Foi por essas razões que o fotógrafo Bruno Brin resolveu criar o projeto Mulheres que Sonhamos.

Em conversa com o CENAPOP, Bruno contou que a iniciativa tem um propósito muito claro:

“Acabar com a ideia de que a mulher ideal é aquela da capa de revista, cheia de Photoshop, ou aquela magra, alta, estereotipada”, disse.

Ao falar sobre o projeto, Bruno explicou que o projeto estimula as mulheres a se aceitarem como são:

“É importante se amar, se aceitar, e entender que cada mulher tem suas peculiaridades, seus defeitinhos, e que isso não as faz inferior a ninguém”, opinou.

“As pessoas acham que o Mulheres que Sonhamos foi criado por causa do desejo sexual do homem pela mulher, e não é. O projeto foi criado para as mulheres, para que elas possam se ver belas, e pensar que também poderiam estar ali. É para todas”, completou.


Pele Project

Priscila Fantin e Sabrina Sato em fotos do projeto Pele Project – Foto: Bruno Rangel

Idealizado pelo fotógrafo Bruno Rangel e pelo diretor de arte Marcelo Feitosa, o Pele Projec mistura arte, poesia, igualdade, e praticamente nada de Pothoshop.

Com o mote “porque debaixo da roupa somos todos pele”, o projeto já tem livro e exposição, e retrata homens e mulheres nus, exibindo suas marcas e peculiaridades.

Os registros em preto e branco são sempre muito elogiados no Instagram da iniciativa. Flávia Alessandra, Sabrina Sato, Priscila Fantin e Fernanda Paes Leme foram algumas das famosas que já fotografaram para o Pele Project.