Renata Vasconcellos diz que se segura para não chorar no Jornal Nacional: “Sou muito sensível”

Renata Vasconcellos em seu ensaio para a revista Claudia - Foto: Romulo Fialdini/ CLAUDIA

Renata Vasconcellos em seu ensaio para a revista Claudia – Foto: Romulo Fialdini/ CLAUDIA

Após dois anos à frente do Jornal Nacional, Renata Vasconcellos contou que ainda não conseguiu achar a receita exata para conseguir segurar a emoção diante de algumas notícias.

Estrela de capa da nova edição da revista Claudia, a jornalista que é reconhecida pela objetividade na hora de conduzir o telejornal, diz que é tímida e emotiva: “Sou muito sensível e, às vezes tenho que me segurar para não deixar transparecer a emoção”, revelou Renata.

Aos 44 anos, Renata conta que ficava com vergonha até na hora de levantar a mão para falar com os professores. “Eu tentava disfarçar. As bochechas, no entanto ficavam vermelhas e quentes. Aí é que todo mundo percebia minha vergonha”, relembra.

Para recarregar as energias, a jornalista gosta de ir ao cinemas com o marido, Miguel Athayde, diretor de jornalismo da TV Globo, com quem está casada há dois anos. Outra coisa que recarrega suas baterias, é ficar com o enteado, Rafael, de 12 anos e os filhos Miguel, de 15 anos e Antônio, de 17 anos, frutos da sua união de 13 anos com o empresário Haroldo MacDowell.

Nas horas de folga, Renata prefere ficar em contato com a natureza.

Renata Vasconcellos em seu ensaio para a revista Claudia - Foto: Romulo Fialdini/ CLAUDIA

Renata Vasconcellos em seu ensaio para a revista Claudia – Foto: Romulo Fialdini/ CLAUDIA

“Chego, visto o avental, o cinto com as ferramentas e vou cuidar da horta e do jardim. O contato com a natureza me revigora”, diz ela.

No sítio da família localizado na região serrana do Rio, Renata mantém canteiros com temperos, cerejeira do Japão, jabuticabeira, ipês roxo e amarelo, lavanda e roseiras.

Renata é quem borda os panos de prato com os retalhos que traz de suas viagens. De acordo com a mãe, a apresentadora é muito caprichosa, “até para servir um simples café ela escolhe uma bandeja bonita, um pano de linho bordado e uma xícara decorada”, diz dona Fernanda.

Para Renata nada disso é um esforço. “A visita pode aparecer a qualquer hora e sem avisar que, na minha casa, tem sempre um bolinho e um café prontos”, conta.

Comentários